Aula inaugural do curso Técnico em Agronegócio será no dia 17 de março

  • Data: 15/03/2018

aula curso tecnicoO Serviço Nacional de Aprendizagem Rural em Goiás (Senar Goiás) realizará no dia 17 de março, a partir das 8 horas, nos municípios de Goiânia, Rio Verde, Itumbiara, Cristalina e Niquelândia, a aula inaugural para os aprovados no processo seletivo do Curso Técnico em Agronegócio. O curso, tem duração de dois anos e é totalmente gratuito para o aluno. As aulas são 80% na modalidade semipresencial, online, e 20% presencial, inclusive com visitas técnicas. O diploma de nível técnico é reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC) e registro no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-GO). 

Em Goiás, foram disponibilizadas 230 vagas do curso e um total de 1.062 candidatos inscritos. Goiânia mais uma vez foi destaque com 498 inscritos – concorrência de 10 candidatos por vaga. Segundo o gerente de Educação Formal do Senar Goiás, Fernando Couto, a grande procura pelo curso foi devido ao crescimento do agronegócio em todo Brasil. Ele também ressalta que a formação profissional, de rápida duração, coloca o aluno mais rápido no mercado de trabalho. “Atualmente, o setor é o que mais cresce e também o que mais emprega. Isso demanda muita mão de obra qualificada nesta área. Além disso, este setor vem passando por um aumento de tecnologia e isso demanda profissionais especializados para suprir toda a necessidade do mercado”, observa.

Metodologia

O curso técnico em agronegócio é oferecido pelo Senar Central, em parceria com Senar Goiás, e realizado pelo programa Rede e-Tec do Ministério da Educação (MEC). O curso é destinado especialmente aos produtores rurais, profissionais relacionados a empresas de assistência técnica ou qualquer pessoa que tenha interesse em atuar com o agronegócio. Desde 2015, o Senar Goiás formou 10 turmas do curso técnico em agronegócio no estado de Goiás. Segundo Fernando Couto, a quantidade de vagas disponibilizadas no Estado a cada processo seletivo, é de acordo com a oferta e gestão do MEC.

Texto: Nayara Pereira