Instituto voltado para a análise de dados sobre o agro em Goiás comemora um ano de atuação

  • Data: 28/05/2018

Capa PPTEm uma atividade marcada pelas incertezas dentro e fora da porteira, a análise de dados pode auxiliar na tomada de decisões, na criação de programas e de políticas públicas para o agronegócio e, assim, garantir a sustentabilidade das atividades do produtor rural. Essa tem sido a trilha seguida pelo braço econômico do Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (Ifag), que iniciou seus trabalhos em maio de 2017 e comemora nesta quarta-feira (30) um ano de atuação em Goiás.

O diretor executivo do Ifag, Edson Novaes ressalta o papel pioneiro do instituto em Goiás. “Até então, não tínhamos nenhuma instituição para trabalhar especificamente estudos, dados e pesquisas sobre o setor rural. O Ifag Econômico nasceu nesse sentido. Nós temos uma parceria com o Senar Goiás em que fazemos a sistematização de grande parte dos dados socioeconômicos do setor rural: preços recebidos pelo produtor rural, preço de insumos, análise de mercado dos principais produtos", enumera.

Ele se refere aos diversos relatórios realizados pelo Ifag, ao longo de 2017, como as cotações agropecuárias, feitas a partir da coleta dos dados de preços recebidos pelos produtores por meio do mapeamento das 12 macrorregiões do Estado. O Instituto também levantou informações de produção, área e produtividade dos principais produtos agropecuários de Goiás, calculou o Valor Bruto da Produção Agropecuária de Goiás (VBP) e os custos de produção dos principais produtos agropecuários. Fez ainda o levantamento dos preços do mercado atacadista e varejista dos principais produtos agropecuários.

O departamento

Formado por analistas e assistentes técnicos – coleta e organiza dados; e gera informações técnicas e econômicas confiáveis para o auxílio nas ações, nos programas e nos projetos do Senar Goiás. “O Ifag ajuda na tomada de decisões do produtor rural e de todos os agentes do agro goiano, sempre com o objetivo de promover a melhoria dos processos e correta alocação dos recursos disponíveis, facilitando o planejamento e o alcance da sustentabilidade do agronegócio goiano”, destaca o coordenador do instituto, Fernando Borges.

As informações, ressalta, se transformam em conhecimento, que vai subsidiar o trabalho de instrutores e de técnicos do Senar Goiás, orientar produtores e trabalhadores rurais na programação de plantio e o período para comercialização dos produtos agropecuários. “A geração de conhecimento ocorre na medida em que consolidamos uma base de dados robusta com cotações dos principais produtos e insumos do setor, atualização de custos de produção, cálculo do valor bruto da produção agropecuária, produção de boletins técnicos direcionados às principais cadeias agropecuárias e análises econômicas ordinárias e pontuais, além da produção de artigos e notas técnicas”, enumera.

Parcerias

A expectativa, para 2018, é consolidar parcerias que começaram a ser articuladas no último ano. O foco é estimular o desenvolvimento do agronegócio goiano e a criação de valor para os produtores rurais. Entre os novos projetos propostos, está o Sistema de Informações Geográficas da Agropecuária de Goiás (SIGA-GO), em parceria com a Embrapa Cerrado. O objetivo é o estabelecer uma plataforma informatizada com banco de dados geoespaciais da agropecuária goiana. Também devem ser firmadas parcerias com a Embrapa Arroz e Feijão e com o Sebrae Goiás, para validação de tecnologias e apoio ao empreendedorismo, respectivamente.

Texto: Assessoria de Comunicação do Sistema Faeg Senar