Pecuaria corte Cesar LARISSAMELO 48Pesquisador da APTA vai abordar temas e orientar sobre possíveis mudanças que podem ocorrer no animal e como interferem no rendimento de carcaça da boiada no abate

Rendimento é a palavra chave de qualquer negócio. Já o rendimento de carcaça é certamente uma variável polêmica que envolve o fim de um sistema de produção de engorda de boi, quer seja a pasto ou confinado. Mas sempre vai ficar a pergunta: será se o rendimento de carcaça da boiada está bom? Para responder a essa questão, a Expopec 2017 – Exposição das tecnologias voltadas ao desenvolvimento da pecuária trará em sua programação, no dia 25 de março, às 14h40, em Porangatu (GO), a palestra ‘Ganho do rendimento ou rendimento do ganho? O que devemos saber sobre isso’. O tema será debatido pelo pesquisador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) da Secretaria de Agricultura de São Paulo, Flávio Dutra de Resende.   

De acordo com ele, a proposta é abordar as diferentes etapas da vida do animal - cria, recria e engorda - e os impactos de cada sistema de produção no resultado final. “Ou seja, quanto pesa a carcaça no abate e quanto pesa o boi na fazenda, o que está por traz destes números”, destaca. Flávio Dutra ressalta que hoje, uma das grandes variáveis que medem o resultado final de uma operação de engorda é o rendimento de carcaça. “Talvez essa variável seja um dos grandes debates que envolvem o pecuarista e o frigorífico. Entender as mudanças que ocorrem no animal ao longo da vida podem facilitar a interpretação sobre o que pode estar acontecendo com animais que dão rendimento baixo ou alto. Neste sentido, vamos colocar mais uma pitada de sal nesta discussão e clarear as possíveis mudanças que podem acontecer no animal e como interferem no rendimento de carcaça da boiada no abate”, enfatiza.

Mais rendimento

Segundo Flávio Dutra, o pecuarista precisa entender que como ele produz carcaça, a meta deve ser direcionada para fazer o animal ganhar carcaça ao longo da vida dele. “Para que isso aconteça, há a necessidade de equacionar a nutrição do animal nas fases de cria, recria e engorda. Com isso, o animal será abatido mais pesado, com mais arrobas colocadas. Com eficiência, a consequência final será um animal com mais rendimento”, diz.

Realidade no Brasil
 
Pelas características do sistema de produção do Brasil, essencialmente a pasto, o pesquisador explica que os animais são abatidos leves, entre 18 a 19 arrobas, e com idade avançada, com grande proporção de animais abatidos acima de 3 anos e mais ainda, com acabamento ausente ou escasso. “O conjunto destes fatores mostra que o nosso sistema de produção não explora de forma adequada o animal, já que poderíamos abater animais mais jovens, até dois anos de idade, com carcaça mais pesadas, cerca de 21 arrobas, e também com acabamento mediano. Com isso, exploramos mais o potencial de produção de carcaça dos nossos animais, o que é demonstrado no sistema de produção conhecido como ‘Boi 7 7 7’, desenvolvido pela APTA de Colina, em São Paulo, e que será apresentado no evento”, reforça.

Expopec 2017

O objetivo do evento é divulgar as tecnologias voltadas ao aprimoramento da produção de carne bovina, ovina e suína no Centro-Oeste, além de discutir e apresentar o que há de mais novo no mercado nacional e internacional. A exposição terá em sua programação palestras, demonstrações e oficinas, feiras de touros, espaço para negócios, exposição de animais, shopping de cavalos, visitas técnicas, vitrine da carne, leilão, festival gastronômico e outras atividades.

Durante os quatro dias de evento, quem comparecer ao município de Porangatu poderá participar de discussões e sugestões de políticas públicas para a cadeia produtiva da carne - mercados bovinos, suínos e ovinos/carneiros -, palestras com renomados especialistas, pesquisadores, técnicos e consultores do mercado, além de lançamento e demonstração de novos produtos, equipamentos e serviços. A realização é da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), do Sindicato Rural de Porangatu e do Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (Ifag).

Ficha Técnica

Expopec 2017
Data: 23 a 26 de março de 2017
Local: Parque de Exposições Agropecuárias ‘Hilton Monteiro da Rocha’
Endereço: Av. Brasília, Vila Rosa, Porangatu (GO)

Site: www.expopec.com.br