A tarde desta sexta, na EXPOPEC 2018, o público pode ter uma visão prática sobre o agronegócio e o desenvolvimento da pecuária. O Painel 2 “A base da competitividade do negócio pecuário” contou com a participação de palestrantes de renome nacional e com larga experiências a serem compartilhadas.

Design sem nome

Maurício Palma Palestrante 

    Maurício Palma, da Agroconsult, abriu o debate  trazendo um breve histórico sobre os primeiros bovinos que chegaram ao Brasil (1532), relatando um pouco esse processo de evolução, até chegar à exportação (1913), porém, segundo ele, a pecuária teve maior expressividade e crescimento com o advindo do Plano Real, em 1994.  

   Esse relato histórico é base para discussões sobre os padrões e fiscalização do SIF (Serviço de Inspeção Federal) que ainda segue regras de 1940.  De acordo com Palma, o ganho anual de produtividade da produção de carne é igualmente proporcional a soja e milho, “perdemos feio para o milho safrinha”, afirma.   

   Sua palestra sobre: “Pecuária Brasileira, a trajetória que vai deixando os mitos para trás” atraiu a atenção do público. Estudos apresentados pelo palestrante mostram que existem perdas potenciais em até 30% no movimento da cadeia produtiva da carne. “Precisamos assumir o protagonismo das áreas de nosso interesse, porque tudo isso ainda vai doer no bolso porque não sabemos nos comunicar da forma correta. A gente não tem que ir com braveza, mas com calma.”

   Além disso, Palma enfatiza que há uma realidade nova na pecuária: produção com alta tecnologia e grande produtividade, reforça que “A ponta está definindo o preço. Quem não conseguir se adaptar a essa regra, vai ser excluído. A produtividade vem. Ou me adapto ou estou fora do mercado” conclui.  


 

 

 

   

 

 

Paulo Padro

 

   Logo em seguida, Paulo Prado, pecuarista da Fazenda Valle Rio do Ouro, propôs uma reflexão com a palestra:  “Empurrar o caminhão morro acima ou morro abaixo”, compartilhando com o público um case de sucesso de sucessão familiar, para a qual foi necessário se reinventar positivamente para seguir competitivo no mercado goiano, e nacional. Hoje sua fazenda faz cria, recria e engorda de animais. 


   

 

 

 

 

 

 

 

 Frederico Stecca   

   Frederico Stecca, proprietário da Pró Raça agribusiness, foi o terceiro palestrante da tarde e também apresentou seu case de sucesso em Recria, e Engorda a Pasto. Para conseguir êxito, o produtor criou metas e protocolos a ser seguidos para seus animais em Recria. E explicou o motivo do tema de sua palestra “ Sequestro, a cereja do bolo”: “Sequestro de bovinos é quando você tira o animal da zona de conforto, trazendo o mesmo para um sistema estabelecido, para o bem do animal. Uma técnica de manejo que tira o animal do pasto, e suplementa-os com uma dieta volumosa.”  

    A técnica de “sequestro” apresentado pelo empresário e produtor Frederico necessita do apoio de um planejamento estratégico, visando atuar em todas as suas fases com profissionalismo.

   A grande sacada, segundo ele, é fazer o sequestro do animal no “início das águas”, em meados de outubro e novembro nesta região do norte de Goiás. Isso torna a pecuária mais rentável. 

 

 

Por Adriane Pires

Fotos: Larissa Melo e Anne Vilela